[Resenha] A Seleção por Kiera Cass

Título: A Seleção
Autor: Kiera Cass
Editora: Seguinte
Gênero: Literatura infanto-juvenil
Ano: 2012
Paginas: 361
Classificação: 





Sinopse: Para trinta e cinco garotas, a Seleção é a chance de uma vida. Num futuro em que os Estados Unidos deram lugar ao Estado Americano da China, e mais recentemente a Illéa, um país jovem com uma sociedade dividida em castas, a competição que reúne moças entre dezesseis e vinte anos de todas as partes para decidir quem se casará com o príncipe é a oportunidade de escapar de uma realidade imposta a elas ainda no berço. É a chance de ser alçada de um mundo de possibilidades reduzidas para um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha. Para America Singer, no entanto, uma artista da casta Cinco, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás Aspen, o rapaz que realmente ama e que está uma casta abaixo dela. Significa abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes. Então America conhece pessoalmente o príncipe. Bondoso, educado, engraçado e muito, muito charmoso, Maxon não é nada do que se poderia esperar. Eles formam uma aliança, e, aos poucos, America começa a refletir sobre tudo o que tinha planejado para si mesma — e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que ela nunca tinha ousado imaginar. 

Resenha: Eu nunca em vida poderia imaginar o quanto estava perdendo por não ter lido antes A Seleção, Kiera Cass é maravilhosa, tenho elogios para dar a ela até você pedir para que eu parar; mas irei poupa-los de muitos para que assim, você descubra por si só, quando resolver ler este livro.

- Em nome das aparências, você poderia segurar meu braço?

Estou risos com você querido Maxon!! Esse príncipe com certeza dá de mil a zero em qualquer outro personagem de romance, porque, por favor, até eu troquei meu Derek por ele, e olha que o meu Derek estava no palanque do meu coração já fazia dois anos. O livro é narrado por America, e isso é maravilhoso pois, você ganha uma perspectiva muito melhor da ideologia da história que se trata de uma nova versão futurística, em especial sobre os Estados Unidos. O atual país, Illéa é divido em castas, numeradas de um a oito - seriam basicamente as classes sociais hoje – e America é uma Cinco, a casta dos artistas. Ela possuí uma vida comum, nada de luxos, e já aceitou totalmente o futuro que pretende ter com o amor de sua vida, Aspen; mas ai ela é Escolhida e seu mundo já não é mais o mesmo. Principalmente porque Aspen rompe o relacionamento e ela acredita que ele já está com outra garota antes mesmo dela ir para o palácio. Maxon e America seriam duas pessoas que nunca se relacionariam se não fossem as dadas circunstancias.

Não só por ele ser o príncipe e ela uma Cinco, – uma casta não lá muito alta, mas não baixa ao ponto de ser miserável – mas por eles serem completamente opostos. Se Maxon não fosse tão gentil, atencioso e paciente, America estaria perdida. America como dito antes é o oposto da paciência, ela é movida pela emoção e não se preocupa com as consequências que seus atos poderão lhe causar; o que a coloca em encrenca diversas vezes, e nada como Maxon para socorrê-la. Mas por um acaso do destino, depois de entrar na Seleção, America virá amiga intima do príncipe, por assim dizer, uma de suas queridas. A amizade deles se torna grandiosa daquelas que te contagia cada vez mais e te faz soltar os mais singelos sorrisos.

"Se você não quiser que eu me apaixone, não pode ficar assim tão linda. A
primeira coisa que farei amanhã será mandar suas criadas costurarem uns sacos
de batata para você usar".
"Dei-lhe uma cotovelada no braço. – Cale a boca, Maxon.".
"- Não é brincadeira. Você é bonita demais para o seu próprio bem. Quando sair, vamos ter que mandar alguns guardas para acompanhá-la. Nunca sobreviverá sozinha, coitada – ele gracejou, fingindo pena."
"- Não posso fazer nada – suspirei. – Não pedi para nascer perfeita – abanei-me com as mãos para mostrar que ser linda era muito cansativo"."- É, não acho que seja possível evitar."

A principio America nega para si mesma seus sentimentos por Maxon, até que ela não se aguenta mais de ciúmes dele com as outras garotas da Seleção e as coisas entre os dois começa a ficar mais firme. Mas nada como Aspen aparecer no castelo como soldado real e balançar novamente o coração de America e relembra-la dos seus sentimentos do qual vinha fugindo.

"Aspen me beijou ardentemente, e tudo o que havia de bom no mundo pareceu
voltar à vida. Ele já não cheirava a sabonete caseiro e estava mais forte do que
antes, mas cada movimento, cada toque, era familiar."

Amei cada página, chorei, mas agora não sei dizer bem em que parte, mas tenho provas aqui de que chorei! Sorri, pulei, dancei, e quando acabei não acreditava no quanto passei a amar esse livro, e o quanto necessitava de mais. E não é à toa que estou aqui para lhe afirmar que corri até uma livraria e comecei a ler o segundo volume, A Elite, no mesmo dia. Você não sabe o que te aguarda nesse próximo volume!

P.S: Os agradecimentos de Kiera são um dos melhores já tive o prazer de ler. Sério, eu te amo. Obrigada.

       Postado por Ingrid Cardo

Nenhum comentário:

Postar um comentário