[Resenha] Princesa Adormecida por Paula Pimenta

Título: Princesa Adormecida
Autor: Paula Pimenta
Editora: Galera Record
Gênero: Ficção juvenil brasileira
Ano: 2014
Paginas: 189
Classificação: 4/5




Sinopse: Era uma vez uma princesa... Você já deve ter ouvido esta introdução algumas vezes, nas histórias que amava quando criança. Mas esta princesa sou eu. Quer dizer, é assim que eu fiquei conhecida. Só que minha vida não é nada romântica como são os contos de fada. Muito pelo contrário. Reinos distantes? Linhagem real? Sequestro? Uma bruxa vingativa? Para mim isso tudo só existia nos livros. Meu cotidiano era normal. Tá, quase normal. Vivia com meus (superprotetores) tios, era boa aluna, tinha grandes amigas. Até que de uma hora pra outra, tudo mudou. Imagina acordar um dia e descobrir que o mundo que você achava que era real, nada mais é do que um sonho. E se todas as pessoas que você conheceu na vida simplesmente fossem uma invenção e, ao despertar, percebesse que não sabe onde mora, que nunca viu quem está do seu lado, e, especialmente, que não tem a menor ideia de onde foi parar o amor da sua vida.
Se alguma vez passar por isso, saiba que você não é a única. Eu não conheço a sua história, mas a minha é mais ou menos assim..


Resenha: Nunca tinha lido um livro da Paula Pimenta antes, por esse motivo estava doida para ler um. Pretendia ler um dela na verdade só o ano que vem que será em parceria com a Thalita Rebouças, da qual sou muito fã, e outras escritoras brasileiras das quais não me lembro bem o nome. Mas acabei ganhando o livro Princesa Adormecida de presente de amigo secreto e logo resolvi lê-lo, pois tinha tudo para ser um romance juvenil encantante! Não posso dizer que me apaixonei pelo livro, mas também não o achei ruim. Se alguém me pedisse uma recomendação de livro de romance, porque eu sinceramente considero esse livro um romance, não recomendaria esse. Simplesmente porque existem outros tão maravilhosos que não pecam em lugares que esse livro peca. Mas se uma pessoa que já estivesse a fim de lê-lo, atraída pelo próprio interesse, me pedisse a opinião: imensamente recomendaria. Vou explicar o porquê disso tudo

Não tinha chegado nem nas dez primeiras páginas e o livro não mais me puxava o interesse, mas também não me desinteressava a ponto de querer para-lo de vez; porque a escrita é extremamente deliciosa, então é muito fácil se prender à história em qualquer lugar. Uma segunda coisa é que eu achei o romance muito fraquinho, muito ilusório para uma garota de 16 anos e um garoto que já está na faculdade, mas isso se dá principalmente por parte dele. O Phil e a Rosa, ou Áurea, (pois ela acaba tendo dois nomes) são muito inocentes; e isso é um ponto que me atrai muito nos romances juvenis. Pois eu vejo que os jovens, pelo menos esses que convivem comigo, não estão mais vendo a importância que tem a inocência em um relacionamento.

As paixões dos primeiros anos de juventude, quando todos os amores são mais puros.

Só que um garoto de faculdade chamar uma garota do ensino médio de princesa por sms realmente foi o fim pra mim. O romance dos dois surge entre trocas de sms, pois a Rosa estuda em um colégio interno para meninas e não tem permissão para sair sozinha ou com as amigas. Por esse motivo, eles passam a ser conhecer somente por mensagens, e nem chegam a se conhecer totalmente também, pois os três tios de Rosa a proíbem de falar com estranhos e a dar detalhes pessoais do seu passado para qualquer um, até mesmo para a sua melhor amiga, Clara.

O que eu faço com essa vontade que me deu de te puxar pro lado de cá da linha?

Só vim realmente me interessar de verdade pelo livro quando entrei para a terceira parte (pois a história é dividida em três partes). A história e a escrita são maravilhosas, então eu acredito que a Paula Pimenta tem ai tudo para crescer nesse campo de romances juvenis, porém o jeito que é contado a história (não sei se você consegue ver diferença de escrita e o modo de ser contado), mas o ponto fraco do livro para mim está ai. E esse é principal motivo para as quatro estrelinhas. Eu sinceramente não daria um livro desses para uma prima minha que fosse mais nova do que eu, ao menos que eu fosse lendo junto com ela e ouvindo sua opinião e a sua reação diante da história. Pois assim eu poderia guiar ela para uma realidade dos dias de hoje. Eu realmente acredito que largar esse livro na mão de uma pré-adolescente é totalmente arriscado. Pois querendo ou não, a história se torna uma base, uma base de um relacionamento, principalmente nesse caso onde a protagonista tem 16 anos; exatamente a idade que é a mais admirada na pré-adolescência.

Apesar de eu ter enxergado a belíssima moral que a autora dá no final, não acho que ela consiga reverter toda a falsa ilusão já criada na cabeça da garota que vai tomar essa ficção como base para o seu relacionamento.

O final eu não previa e sim, eu gostei dele. Agora o pretendente da Rosa já foi claro para mim desde as primeiras páginas do livro; e vinha se confirmando de pouco em pouco. Tudo isso sem a autora estar realmente dando as pistas. E quando a primeira pista foi dada pulei de alegria por já vir acertado desde o início. Amo! 

PS: teve até trilha sonora decida pela autora para o casal: Rainbow da Colbie Caillat, da qual eu não tinha me interessado a ouvir enquanto lia, mas agora que ouvi, acho que é perfeita.



Postado por Ingrid Cardoso   

Nenhum comentário:

Postar um comentário